TVs públicas estaduais do Brasil pedem direito à multiprogramação

O ministro das Comunicações André Figueiredo se encontrou com representantes de emissoras públicas de todo o país e parlamentares para discutir a extensão do recurso de multiprogramação para as estações de TV estaduais, visto que hoje a regulamentação só permite que canais da União (federais) o utilizem.

A multiprogramação permite transmitir várias programações no mesmo canal digital. O ministro se mostrou favorável à extensão da regulamentação uma vez que a maioria das emissoras públicas são estaduais ou locais. “A equiparação das emissoras no conceito de multiprogramação é extremamente benéfica para as emissoras estaduais e a população, pois valoriza a transmissão do conteúdo diferenciado e a regionalização da programação das emissoras”, disse Figueiredo.

O pedido partiu de diversas emissoras, dentre elas a TV Cultura de São Paulo, que tem no ar esse sistema em caráter experimental (concedida depois do canal fazer multiprogramação sem autorização em 2009). O presidente da emissora, Marcos Mendonça, assinalou a importância da extensão para abrir mais opções de levar serviços à população: “Com a multiprogramação, elas podem fazer canais específicos para saúde, serviços, ensino à distância e apoio à educação. São canais voltados para ajudar as políticas públicas de seus estados”, explicou.

TVs públicas estaduais do Brasil pedem direito à multiprogramação

O ministro das Comunicações André Figueiredo se encontrou com representantes de emissoras públicas de todo o país e parlamentares para discutir a extensão do recurso de multiprogramação para as estações de TV estaduais, visto que hoje a regulamentação só permite que canais da União (federais) o utilizem.

A multiprogramação permite transmitir várias programações no mesmo canal digital. O ministro se mostrou favorável à extensão da regulamentação uma vez que a maioria das emissoras públicas são estaduais ou locais. “A equiparação das emissoras no conceito de multiprogramação é extremamente benéfica para as emissoras estaduais e a população, pois valoriza a transmissão do conteúdo diferenciado e a regionalização da programação das emissoras”, disse Figueiredo.

O pedido partiu de diversas emissoras, dentre elas a TV Cultura de São Paulo, que tem no ar esse sistema em caráter experimental (concedida depois do canal fazer multiprogramação sem autorização em 2009). O presidente da emissora, Marcos Mendonça, assinalou a importância da extensão para abrir mais opções de levar serviços à população: “Com a multiprogramação, elas podem fazer canais específicos para saúde, serviços, ensino à distância e apoio à educação. São canais voltados para ajudar as políticas públicas de seus estados”, explicou.