Para Associação Brasileira de Internet a tributação do Whatsapp e Netflix será paga pelos clientes

Para a Abranet –Associação Brasileira de Internet- toda a movimentação em torno da provável tributação de serviços OTT como Netflix e Whatsapp só terá um resultado: o cliente pagará por essa regulamentação. Em 2014, o setor faturou mais que 80% dos setores da economia brasileira, com faturamento superior a R$ 120 bilhões.

Após a aprovação do primeiro possível imposto para serviços OTT aprovado pela Câmara dos Deputados, o presidente da Abranet Eduardo Parajo afirmou que “não existe nada de graça” e se o governo resolver colocar impostos sobre os serviços, é o usuário que vai arcar com os custos. Ele também afirmou que o país já tem “um arcabouço tributário muito complicado” e há a preocupação de como esta tributação será realizada.

Enquanto o ministro das Comunicações Ricardo Berzoini defende a taxação para compensar “assimetrias regulatórias e tributárias”, pois muitas empresas consumidoras de dados demandam investimento e não investem na infraestrutura local como as operadoras de telecomunicações, Parajo acredita que o melhor seria “menos regulamentação e menos impostos” para que as empresas que usam Internet como plataformas de negócio possam se desenvolver.

Para Associação Brasileira de Internet a tributação do Whatsapp e Netflix será paga pelos clientes

Para a Abranet –Associação Brasileira de Internet- toda a movimentação em torno da provável tributação de serviços OTT como Netflix e Whatsapp só terá um resultado: o cliente pagará por essa regulamentação. Em 2014, o setor faturou mais que 80% dos setores da economia brasileira, com faturamento superior a R$ 120 bilhões.

Após a aprovação do primeiro possível imposto para serviços OTT aprovado pela Câmara dos Deputados, o presidente da Abranet Eduardo Parajo afirmou que “não existe nada de graça” e se o governo resolver colocar impostos sobre os serviços, é o usuário que vai arcar com os custos. Ele também afirmou que o país já tem “um arcabouço tributário muito complicado” e há a preocupação de como esta tributação será realizada.

Enquanto o ministro das Comunicações Ricardo Berzoini defende a taxação para compensar “assimetrias regulatórias e tributárias”, pois muitas empresas consumidoras de dados demandam investimento e não investem na infraestrutura local como as operadoras de telecomunicações, Parajo acredita que o melhor seria “menos regulamentação e menos impostos” para que as empresas que usam Internet como plataformas de negócio possam se desenvolver.