Ministério da Cultura do Brasil planeja lançamento de plataforma VOD com conteúdo exclusivamente nacional

Em meio à discussões sobre taxação e regulamentação de plataformas OTT, o Ministério da Cultura do Brasil está planejanto o desenvolvimento de uma espécie de Netflix brasileiro, que deve ser lançado em 2016, com conteúdo exclusivamente nacional.

O objetivo é elaborar um banco de conteúdos que reúna desde a produção audiovisual histórica que está na Cinemateca Brasileira até títulos recentes para serem disponibilizados em uma plataforma de vídeos por demanda.Os filmes pertencentes ao domínio público tem transmissão gratuita, mas as produções que possuem direitos autorais teriam que ser pagas, logo também será necessário definir o método de pagamento, se seria por assinatura, como o Netflix, ou individual, como as locações em serviços VOD.

O governo brasileiro já possuiu uma plataforma pequena de entretenimento desde 2004, o Portal Domínio Público, que conta com filmes, obras literária e músicas, porém um outro serviço OTT facilitaria o acesso a filmes brasileiros antigos e raros, já que a lei permite a transmissão gratuita de obras com mais de 70 anos de idade. O modelo do serviço,assim como o investimento em base tecnológica e as formas de licenciamento e remuneração estão em estudo. “Hoje o Estado brasileiro financia grande parte da produção que é feita no país, mas a maioria dos cidadãos não tem acesso a esses filmes. Esse é o nosso ponto de partida”, disse o comunicado oficial do Ministério da Cultura.

Ministério da Cultura do Brasil planeja lançamento de plataforma VOD com conteúdo exclusivamente nacional

Em meio à discussões sobre taxação e regulamentação de plataformas OTT, o Ministério da Cultura do Brasil está planejanto o desenvolvimento de uma espécie de Netflix brasileiro, que deve ser lançado em 2016, com conteúdo exclusivamente nacional.

O objetivo é elaborar um banco de conteúdos que reúna desde a produção audiovisual histórica que está na Cinemateca Brasileira até títulos recentes para serem disponibilizados em uma plataforma de vídeos por demanda.Os filmes pertencentes ao domínio público tem transmissão gratuita, mas as produções que possuem direitos autorais teriam que ser pagas, logo também será necessário definir o método de pagamento, se seria por assinatura, como o Netflix, ou individual, como as locações em serviços VOD.

O governo brasileiro já possuiu uma plataforma pequena de entretenimento desde 2004, o Portal Domínio Público, que conta com filmes, obras literária e músicas, porém um outro serviço OTT facilitaria o acesso a filmes brasileiros antigos e raros, já que a lei permite a transmissão gratuita de obras com mais de 70 anos de idade. O modelo do serviço,assim como o investimento em base tecnológica e as formas de licenciamento e remuneração estão em estudo. “Hoje o Estado brasileiro financia grande parte da produção que é feita no país, mas a maioria dos cidadãos não tem acesso a esses filmes. Esse é o nosso ponto de partida”, disse o comunicado oficial do Ministério da Cultura.